POLICIAL REGIAO ÚLTIMA HORA

Cartazes racistas e com suposta ligação ao PCC, são colocadas em frente a escola

Caso aconteceu na Escola Municipal Reverendo Odilon Gonçalves, na zona oeste de Londrina.

Cartazes com conteúdos racistas e com suposta ligação ao Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa de São Paulo, foram deixados em frente a Escola Municipal Reverendo Odilon Gonçalves, no bairro Jardim do Sol, zona oeste de Londrina. Os cartazes foram encontrados por zeladoras no momento em que iriam fazer a limpeza do local. Eles foram deixados na calçada e estavam “presos” por pedras. No último final de semana, um cartaz com letras parecidas foi colocado em uma viela que fica a poucas quadras do colégio. O recado também fazia menção a uma facção criminosa.

Os cartazes podem ter ligação, também, com um caso que ocorreu no começo deste ano. Em fevereiro, três carros foram incendiados em poucos dias. As vítimas não tinham ligação entre si, mas em todos os registros um bilhete foi abandonado ao lado dos veículos. Além da semelhança no conteúdo das mensagens, os bilhetes foram escrito com letra parecida e com a mesma tinta vermelha dos cartazes.

Moradores e familiares se preocupam

Os cartazes colocaram moradores da região e familiares em alerta, principalmente pelo fato de que a maioria dos alunos do colégio são crianças pequenas.

“As mães da escola estão com muito medo de que esse rapaz… A gente nao sabe bem quem é, entre na escola, faça alguma coisa com a gente quando estamos esperando as crianças sairem ou as crianças entrarem. […] Meu filho mesmo já não queria ir pra escola hoje”,

conta uma das mães, que preferiu não se identificar.

Uma das mulheres que denunciou a situação ressalta que o medo é generalizado na região.

“Eu já vi coisas horríveis, mas igual a essa… Está ficando preocupante, porque você não sabe quem é [que está causando isso], o que está acontecendo, se é um psicopata… Você não sabe quem é e fica com medo, tá todo mundo com medo”,

relata a aposentada Joana D’Arc.

A Guarda Municipal busca, na escola, mais informações sobre o responsável pelos cartazes.

 

 

 

 

 

 

Por: RicMais