CURIOSIDADES DESTAQUES DO DIA PANDEMIA POLÍTICA

É #FAKE que motociata a favor de Bolsonaro entrou para o Guinness Book e reuniu 1,3 milhão de motos

Circula nas redes sociais uma mensagem afirmando que a passeata de motos que contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro no sábado (12), em São Paulo, reuniu 1,3 milhão de veículos e entrou para o Guinness Book. É #FAKE.

Não há qualquer menção ao evento de motos no site e nas redes sociais do Guinness. Procurada, a organização do Guinness diz que “não houve nenhuma tentativa oficial” de quebra de recorde.

“Após uma análise aprofundada, posso confirmar que o desfile de motocicletas ocorrido em São Paulo, no Brasil, em 12 de junho de 2021, não foi uma tentativa oficial de título do Guinness World Records”, afirma Alice Pagán, do Departamento de Relações Públicas para a América Latina.

“O Guinness World Records permanece neutro em relação às atividades políticas – tanto nacionais quanto internacionais. Não aceitamos inscrições de registro que consideremos ter motivação política, e nos reservamos o direito de rejeitar ou cancelar uma inscrição de registro se considerarmos que isso promove uma agenda política. Por se tratar de um evento de motivação política, não permitimos o uso de nosso nome, plataforma ou serviços.”

As regras do Guinness Book deixam claro que eventos com inclinação política não são aceitos.

Além disso, de acordo com uma estimativa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, a passeata teve 12 mil motos, e não 1,3 milhão.

O número propalado pela mensagem falsa também é muito maior que a estimativa dos próprios organizadores do evento. O deputado Coronel Tadeu (PSL-SP), que fez parte da organização da motociata, diz ter percorrido a Rodovia dos Bandeirantes por 25 quilômetros para saber a dimensão do grupo. Baseado nisso, ele estima que participaram de 150 mil a 180 mil motos.

Para ter uma base de comparação, a frota total de motocicletas na cidade de São Paulo é de 1.064.595 veículos, segundo dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).

Fonte: G1